quinta-feira, 27 de abril de 2017

{ do se...}

e se...
... num coração partido um amor o colasse
 ... numa mão estendida outra mão segurasse
 ... num jovem perdido um futuro brilhasse
... num velho esquecido um amigo abraçasse
... numa vala imunda  uma flor  perfumasse
 ... num mundo dividido uma união brotasse
 ... num povo sem destino um rumo tomasse
e se...
 num cano duma pistola um pássaro cantasse
.
 FM



*

segunda-feira, 24 de abril de 2017

{ do 25 de abril }



naquele tempo éramos tantos
queríamos tanto
 homens, mulheres, trabalhadores, intelectuais, soldados
 uniram-se numa causa num ideal
jamais a igualdade foi defendida tão doce e fortemente
tantas vozes em uníssono:
 " O povo unido jamais será vencido! "
 quarenta e três anos passaram
somos tantos
queremos tanto
mas deixámos de acreditar
em causas, em flores vermelhas e em mãos tocando mãos
.

FM

imagem retirada do Google


sábado, 22 de abril de 2017

{ da vida }

@
                             A vida não é medida pelo número de vezes que respiramos, mas pelos momentos em que  perdemos o fôlego...


                                                       ... de rir

                                                                                ...de êxtase

                                                                                                                   ... de surpresa !!!

 FM  
@



"Respira o sabor de um beijo, o toque de um afago, o som de um arfar. Respira a mão de fogo de quem te ama, o suor em êxtase de quem te chama. E o abraço que não passa, e as palavras que te embraçam, e os olhares que te apertam. Respira – para saberes que vale a pena continuar."
Pedro Chagas Freitas

terça-feira, 18 de abril de 2017

{ do quotidiano II }

todos os dias toma o pequeno-almoço num pequeno estabelecimento perto de sua casa
o ambiente quente do pão a cozer, o cheiro do café e o odor adocicado dos bolos faz com que não abdique deste pequeno luxo
 sentia frio, um frio vindo de dentro, intenso, que não a largava e a consumia
 olhou para o relógio, mais por hábito do que por necessidade
 afinal não tinha ninguém, nem nenhum trabalho à sua espera
 lá fora, o som de gargalhadas, recordou-lhe outros dias, mais felizes
 sentou-se a beber o café fumegante com o olhar vagueando...
um pardalito foi entrando devarinho, estacando em cima do tapete largo da entrada
saltitando como todos os pardais, foi debicando migalhas esquecidas, perdidas
 caídas dos embrulhos de papel que envolvem o pão
não soube se foi por causa do pequeno pardal ou da cafeína que tinha ingerido
mas um súbito e reconfortante calor percorreu-lhe o corpo
o pássaro indiferente continuou debicando
 e no seu rosto, voou um sorriso
 . 

FM

imagem- pinterest

domingo, 16 de abril de 2017

{ da Páscoa II }

"Nunca me guiei pelo "politicamente" correcto. Escrevo o que penso e o que sinto. Sei que alguns dos meus amigos se sentirão chocados. Estou habituado a sofrer o preço da frontalidade. Quero continuar assim. Mais que uma arma, como alguns dizem, a poesia é uma ferramenta, hoje, como sempre, utilizá-la-ei na defesa do amor, da amizade e dum mundo melhor. "
N. Pardal

PÁSCOA

Não tenho nem preciso de religião,
Respeito os que na fé buscam aconchego
E que a qualquer Deus mostram seu apego.
A mim basta-me ser de todos um irmão.

E quando alguns me dizem : “És cristão
pois vives em constante desassossego”
Respondo que se ao Deus deles eu não chego
A todos os que sofrem estendo a mão.

Mulheres e homens, mundo em sofrimento,
Crianças a morrer sem alimento
Que dos pobres os Deuses se esqueceram.

Para mim não há Páscoa sem justiça,
Cristo não vai ressuscitar em qualquer missa
Nem ressuscitam os que de fome morreram.

2017-04- 15

Nogueira Pardal

sexta-feira, 14 de abril de 2017

{ da Páscoa }


Simon Christen photografy



"Ainda hoje somos homens e mulheres de passagens; somos filhos da Páscoa.
Os mares existem; os cativeiros também. As ameaças são inúmeras. Mas haverá sempre uma esperança a nos dominar; um sentido oculto que não nos deixa parar; uma terra prometida que nos motiva dizer: Eu não vou desistir!
E assim seguimos. Juntos. Mesmo que não estejamos na mira dos olhos.
O importante é saber, que em algum lugar deste grande mar de ameaças, de alguma forma estamos em travessia..."

Padre Fábio de Melo

terça-feira, 11 de abril de 2017

{ do dar }

"quando damos o melhor de nós aos outros, o que nos sobra ?

FM


 Hoje, a semente que dorme na terra
E se esconde no escuro que encerra
Amanhã nascerá uma flor

Ainda que a esperança da luz
Seja escassa
A chuva que molha e passa
Vai trazer numa gota amor

Também eu estou
À espera da luz
Deixo-me aqui
Onde a sombra seduz

Também eu estou
À espera de mim
Algo me diz
Que a tormenta passará

É preciso perder
Para depois se ganhar
E mesmo sem ver
Acreditar!

É a vida que segue
E não espera pela gente
Cada passo que dermos em frente
Caminhando sem medo de errar

Creio que a noite
Sempre se tornará dia
E o brilho que o sol irradia
Há-de sempre me iluminar

Quebro as algemas neste meu lamento
Se renasço a cada momento
Meu o destino na vida é maior

Também eu vou
Em busca da luz
Saio daqui
Onde a sombra seduz

Também eu estou
À espera de mim
Algo me diz
Que a tormenta passará

É preciso perder
Para depois se ganhar
E mesmo sem ver
Acreditar!

É a vida que segue
E não espera pela gente
Cada passo que dermos em frente
Caminhando sem medo de errar

Creio que a noite
Sempre se tornará dia
E o brilho que o sol irradia
Há-de sempre nos iluminar

Sei que o melhor de mim
Está para chegar
Sei que o melhor de mim
Está por chegar
Sei que o melhor de mim
Está para chegar



Melhor de Mim - Mariza

domingo, 9 de abril de 2017

{ da luz }

 

inspiro lentamente e olho à minha volta
 estou numa sala vazia
as paredes lisas cegam-me na sua nudez
uma única janela, pequena, quase minúscula, está ao fundo, na minha direcção
não sei quantos passos serão necessários para a abrir
 está tão perto e ao mesmo tempo tão distante
a LUZ está ali, além daquela janela
penso em tudo e em todos
em tudo o que me é querido
em todos aqueles que amo
apetece-me correr e alcançar aquela janela, seguir aquela LUZ
mas terei de sair daqui, onde o chão é firme e seguro
valerá a pena arriscar e SER EU ou é mais seguro permanecer no SER ASSIM?
dizem que o que não nos mata torna-nos mais fortes, porque aprendemos
nas minhas quedas, a dor da pancada, os embates sucessivos ao atingir o chão
 fazem-me soltar lágrimas e sentir-me perdida
 não, não vou desistir!
vou escorregar e cair mais vezes, se calhar, até partir algo mais que o coração
contudo, nada é impossível nem inalcançável
porque sei que um dia vou atingir aquela LUZ branca e linda
 e finalmente serei livre

!

FM

quinta-feira, 6 de abril de 2017

{ das sexygenárias }

* Hoje entrei no grupo das sexygenárias" 😉


Aos 20 anos imaginava-me a chegar aos 60 como uma velhinha simpática rodeada de netos. Felizmente não sou tão velhinha assim, mas infelizmente não tenho netos.
Não vou dizer que estou óptima para a minha idade, pois embora tenha dias em que me sinto mais nova, tenho outros que teimam em me lembrar a idade.

Um beijinho grato a todos que  através de mails, telefonemas e comentários estão a alegrar este meu dia.

* foto tirada na Nazaré no mês passado.
 
FM


Canção na plenitude

Não tenho mais os olhos de menina
nem corpo adolescente, e a pele
translúcida há muito se manchou.
Há rugas onde havia sedas, sou uma estrutura
agrandada pelos anos e o peso dos fardos
bons ou ruins.
(Carreguei muitos com gosto e alguns com rebeldia.)

O que te posso dar é mais que tudo
o que perdi: dou-te os meus ganhos.
A maturidade que consegue rir
quando em outros tempos choraria,
busca te agradar
quando antigamente quereria
apenas ser amada.
Posso dar-te muito mais do que beleza
e juventude agora: esses dourados anos
me ensinaram a amar melhor, com mais paciência
e não menos ardor, a entender-te
se precisas, a aguardar-te quando vais,
a dar-te regaço de amante e colo de amiga,
e sobretudo força — que vem do aprendizado.
Isso posso te dar: um mar antigo e confiável
cujas marés — mesmo se fogem — retornam,
cujas correntes ocultas não levam destroços
mas o sonho interminável das sereias.

Lya Luft


*


terça-feira, 4 de abril de 2017

{ da lua }



ouvi, vindo da LUA que se afundava, uma prece:
"- EU NÃO VOLTAREI ! " 
a noite serena e fria, assistia sem se importar
muda de espanto, o meu corpo gelado pela brisa fresca, tremia
ignoro se mais alguém se importará por esta ausência prolongada
sei que continuará a haver estrelas, flores, suspiros, esperanças e
 amor nas alamedas sob a sombra das ramagens
 mas, sem a LUA nada será como dantes

sentei-me no barco e remei
circundando aquele pedaço de LUA
que diante dos meus olhos desaparecia
e em desespero
lancei-me às águas
para a salvar

.

FM

créditos da imagem
reeditado do "Blogue da Fê blue bird"

domingo, 2 de abril de 2017

{ do toque }

há toques muito eficazes, apreciem ! 😆


 


Os gatos são conhecidos pela sua independência, vaidade e personalidade bem vincada – por vezes até demais ! – mas isso não quer dizer que eles passem ao lado das nossas vidas.
Adoram receber atenção, e também a retribuem,  à sua maneira .
Não conseguimos ter controlo sobre a rotina ou a vontade de um gato, como conseguimos à partida com os cães, e isso é apenas parte daquilo que faz deles tão únicos e especiais.
Os animais não têm defeitos. Têm feitios ! 😏


a minha Moddy , treze anos a fazer-me companhia